Publicado: 30/04/2018

Com a crença de que com um belo acessório tudo se transforma, a designer Valéria Berkovitz, corpo e alma por trás da VYX Ipanema (www.vyxipanema.com.br), trouxe para o Brasil o conceito usado por grandes marcas da moda, como Yves Saint Laurent, de investir em bijuterias como obras de arte. “Se não posso ter uma joia, posso comprar uma bijoux bem bacana”, diz o pensamento adotado pela carioca no fim dos anos 90, quando ainda tinha apenas uma marca de atacado.

 

Mas essa história começou bem antes. Mais propriamente quando Valéria era criança e admirava joias e bijuterias dos anos 1920 de sua avó austríaca, casada com um português comprador de pedras. Ao mexer nas caixas escondida da avó, um mundo se abria. Também remetem à infância as lembranças de sentir os próprios olhos brilhando, aos 6 anos, ao admirar colares, pulseiras e anéis dentro de vitrines de vidro da tradicional Casa Sloper, em Copacabana. 

 

A paixão despertou desde cedo, mas somente muitos anos depois pode aflorar. Foram necessários oito anos trabalhando como arquiteta, dois anos fora do país, para que, na volta ao Brasil, a designer admitisse que não queria voltar para o escritório de arquitetura. Abriu uma loja de roupas, ficou responsável pelos acessórios e foi então que decidiu aprender como se faziam as peças. “Meu barato é criar. Também sempre gostei de processos, de aprender como se faz”, diz ela, que foi então buscar formação e fez parte da primeira turma de designers da Associação de Joalheiros do Rio.

 

O varejo veio em 2007, com a VYX Ipanema (www.vyxipanema.com.br). Há dez anos, a marca chama atenção por seus anéis de prata e colares com pedras naturais e diversos materiais. Esta mistura  é o forte na criação de Valéria. “Não tenho preconceito com material. Estou sempre pesquisando e procurando coisas diferentes. Sou detalhista e meu universo é o tempo todo vendo o que pode virar o quê”, entrega ela, que trabalha com muranos italianos, já usou cristais de lustres e até crina de cavalo,em suas criações.Também foi a designer que lançou o EVA nas bijuterias.


Sempre na vanguarda, a 
VYX (www.vyxipanema.com.br) foge de modismos e fala a língua da carioca bem resolvida. “Meu público é o da mulher independente a partir dos 35 anos que sabe o que quer”, define. A marca também tem a postura do preço justo: “Acho que design não tem que ser caro”. Como boa empreendedora (Valéria fez o programa 10.000 Women, MBA da Fundação Dom Cabral), ela também está ligada na tendência upcycling, que dá nova utilidade a materiais descartados. “Estou pensando em desenvolver uma linha com tampas de perfumes”, adianta. Enquanto esse momento não chega, a designer aproveita o Carnaval e apresenta uma bela coleção de arcos bem bacanas para usar nos dias de folia.